JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

KIM MCGRATH: POUCAS MUDANÇAS NO INTERESSE DA AUSTRÁLIA NO MAR DE TIMOR

KIM MCGRATH: POUCAS MUDANÇAS NO INTERESSE DA AUSTRÁLIA NO MAR DE TIMOR

A académica e escritora australiana Kim McGrath, autora do livro “Passar dos Limites- A História Secreta da Austrália no Mar de Timor”, considera que há poucas mudanças do Governo australiano em relação ao seu interesse no Mar de Timor, mesmo após a realização da troca de notas do Tratado das Fronteiras Marítimas, que teve lugar na passada semana.

“Penso que houve poucas alterações por parte da Austrália no que toca à sua atitude, mesmo depois da troca de notas diplomáticas relativas ao Tratado das Fronteiras Marítimas do Mar de Timor entre os dois países, na passada semana”, disse na quarta-feira (04-09), durante a cerimónia do lançamento do seu livro, no Hotel Novo Turismo, em Díli.

Kim McGrath mostrou o seu desagrado pelo facto de o Governo australiano ter agido de forma ilegal contra Timor-Leste após a sua independência, nomeadamente sobre o alegado ato de espionagem desencadeado pelo Governo de Camberra, durante as negociações sobre o novo tratado das Fronteiras Marítimas entre os dois países.

“Apesar disso, continuo muito dececionada em relação à forma como todo o processo se desenrolou. Exemplo disso foram as informações vindas a público sobre ações de espionagem da Austrália durante todo o processo de negociações. Acho uma atuação pouco abonatória para a Austrália e é, por isso, um indicador de que o seu Governo tem de mudar de atitude”, declarou.

Com base nas evidências das investigações encontradas nos documentos oficiais australianos, a autora considera que a Austrália não é um país em que se possa confiar.

“Depois de todas as leituras e investigações que realizei sobre toda a documentação do processo, sobretudo no que respeita aos ficheiros secretos da década de 1960, acho que é muito difícil continuar a confiar nas atitudes da Austrália”, disse.

Lee hotu :   Kondisaun la favoravel, AACTL suspende Sriwijaya Air hala’o operasaun

Já o ex-Presidente da República timorense, José Ramos Horta, defendeu que a Austrália é um “país amigo de Timor-Leste, salientando que “o atual Governo australiano não tem nada a ver com os problemas que ocorreram no passado”. Pediu, por isso, que Timor-Leste mantivesse as relações e confiança com a Austrália, dado que é um país “aliado a nível internacional”.

“Com certeza que Timor-Leste deve continuar a manter a confiança na sua vizinha Austrália. Quem apoiou a invasão de Timor-Leste pela Indonésia foram os Estados Unidos. Quem deu armas que matou muitos timorenses foram os americanos. No entanto, mantemos boas relações com a América. Por que não haveríamos de ter igualmente boas relações com a Austrália? Quem invadiu Timor-Leste e matou 200 mil timorenses foi a Indonésia e, no entanto, mantemos de igual modo boas relações com a Indonésia”, disse.

“Não devemos ficar zangados. A Austrália é um país vizinho, um país amigo, pelo que o atual Governo australiano nada tem a ver com o Governo de há 15 anos ou quase 20 anos. A Austrália é um país com grande potência internacional e aliado dos Estados Unidos da América, de Singapura, Japão, Coreia e Inglaterra. Por isso, é importante que o país mantenha os laços de cooperação”, referiu.

O diplomata destacou ainda a importância do apoio de Camberra a Timor-Leste durante os últimos anos, sugerindo que a Austrália intensificasse o apoio financeiro na ajuda às forças armadas e à polícia timorense.

“A Austrália sempre nos apoiou, agora e nos últimos anos. Queremos é que se intensifiquem as relações bilaterais. Por isso, o país aliado tem de aumentar a ajuda financeira e económica, sobretudo no apoio às F-FDTL e à PNTL”, disse.

Horta afirmou ainda que os políticos timorenses conhecem bem a história recente que ocorreu no país. Pediu, por isso, que fossem honradas todas as vítimas e heróis que tombaram e que fosse deixada a parte negativa da história.

Lee hotu :   PM Taur orienta MTK sosa Ró tolu iha 2020

Para o diplomata, a política de Timor-Leste tem de continuar a ser “inteligente e pragmática de modo a reforçar as relações bilaterais com a Austrália”, disse.

Recorde-se que, na passada quarta-feira (04-08), decorreu a cerimónia de lançamento do livro “Passar dos Limites- A História Secreta da Austrália no Mar de Timor”, no Hotel Novo Turismo, em Díli.

No seu discurso, a autora Kim McGrath resumiu o conteúdo do livro, afirmando que, em fevereiro de 1963, ainda durante a colonização portuguesa, o Governo australiano determinou secretamente que seria “inevitável que Timor-Leste fizesse parte da Indonésia”.

“Descobri que, nesse mesmo ano, em 1963, o Governo australiano sabia que, na linha mediana, havia um grande potencial de exploração de petróleo e gás”, disse.

 Segundo Kim McGrath, a Austrália rejeitou “negociar com Portugal as fronteiras marítimas no Mar de Timor e, em 1972, celebrou um acordo com a Indonésia.

“A Austrália rejeitou inúmeras aproximações de Portugal para negociar as fronteiras marítimas no Mar de Timor. Assinou um tratado com a Indonésia em 1972 que dava à Austrália dois terços do Mar de Timor. Este tratado não incluía a área entre a Austrália e o Timor Português, que ficou conhecida como Timor Gap”, recordou.

A Revolução de 25 de abril de 1974, em Portugal, permitiu a autodeterminação de Timor-Leste, que não foi apoiada pelo Governo australiano.

 McGrath encontrou nos Arquivos Nacionais australianos provas de que a Austrália tinha interesses diretos de multibiliões de dólares na invasão e ocupação indonésia, facto escondido pela Austrália, que aceitaria posteriormente a soberania da Indonésia em Timor-Leste, esquecendo as questões morais, e avançou para as negociações do Timor Gap.

Para as autoridades australianas, era mais fácil negociar com a Indonésia do que com Portugal ou Timor-Leste independente. O acordo chegaria finalmente em 1989, tendo Austrália ficado com 80% dos campos de petróleo.

Lee hotu :   Hamutuk luta ba dezenvolvimentu no moris diak

Kim McGraht, lembrou ainda que, em 2000, o Governo da Austrália quis divulgar documentos de 1974 e 1976, mas deixou em segredo a resposta à invasão da Indonésia e o Mar de Timor.

No período da independência de Timor-Leste, a Austrália montou alegadamente escutas no Palácio do Governo para obter informações sobre as negociações para um acordo celebrado em 2006 que não possibilitava renegociações durante 50 anos, tendo 80% do Greater Sunrise ficado com os australianos.

As escutas foram denunciadas pela Testemunha K, que, juntamente com o seu advogado, respondem em tribunal na Austrália.

McGrath pediu, por isso, aos participantes do lançamento do livro que atuassem junto dos seus governos para que a Austrália fosse condenada pelo comportamento. (Oct)

Add to Comments Here!!!!

error: Content is protected.
Secured By miniOrange
You might also like:
PR LÚ OLO DEKRETA HALÓT ‘RAMA METAN’ IHA JARDIM DOS HEROIS METINARO

Prezidente Repúblika (PR), Francisco Guterres 'Lú...

KOMISAUN AVALIASAUN DESIDE TL VIÁVEL ONA TAMA ASEAN

Delegasaun Komisaun Permanente Asosiasaun Sudeste Aziátiku...

Filomeno Paixão: Sei la tolera korupsaun iha Servisu imigrasaun

Ministru Defeza no Interior Interinu, Filomeno...

Close