GMN TV Internacional MARI ALKATIRI DEVERÁ SER INDIGITADO PRIMEIRO-MINISTRO TIMORENSE NAS PRÓXIMAS HORAS

MARI ALKATIRI DEVERÁ SER INDIGITADO PRIMEIRO-MINISTRO TIMORENSE NAS PRÓXIMAS HORAS

0 views

[:pt]

Díli, 13 set (Lusa) - Mari Alkatiri deverá ser indigitado ainda hoje para o cargo de primeiro-ministro pelo chefe de Estado de Timor-Leste, Francisco Guterres Lu-Olo, que gostaria de ver o Executivo tomar posse na sexta-feira.

A indigitação de Mari Alkatiri é formalizada num decreto presidencial que poderá ser assinado "ainda hoje ou o mais tardar amanhã [quinta-feira] de manhã", disse à Lusa fonte da Presidência timorense.
A candidatura de Alkatiri, secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), foi hoje apresentada ao chefe de Estado, num encontro com a liderança da Fretilin e do Partido Democrático (PD), momentos depois de assinarem um acordo de coligação para o Governo nos próximos cinco anos.
À saída do encontro com o chefe de Estado, Mari Alkatiri disse que vai fazer o esforço para que o Governo possa ser empossado na sexta-feira.

"O Presidente nomeia o primeiro-ministro e depois cabe ao primeiro-ministro formar Governo. Vamos fazer esforço para que a tomada de posse possa ocorrer no dia 15", afirmou.
"O Presidente faz questão de que o comando legislativo comece dia 15 e que o Governo também comece a 15", disse, referindo que o Governo pode não estar totalmente preenchido até essa data, mas que terá "os elementos principais".

Apesar de, para já, o acordo ser apenas entre a Fretilin e o PD, Alkatiri garantiu que "o acordo é dinâmico" e continuará aberto a eventual participação de membros do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO).
"Assinámos os dois, mas as portas continuam abertas para que, mesmo com o Governo constituído, se possa criar maioria absoluta", sublinhou.

Alkatiri disse que o afastamento do KHUNTO, até terça-feira contado como membro da coligação, se deve a "problemas internos" cujos contornos recusou divulgar.

Apesar disso, o Governo é apoiado, não apenas pela coligação, mas pelo apoio de incidência parlamentar e até de inclusão, garantindo assim "estabilidade governativa" para os próximos cinco anos, frisou Mari Alkatiri.
Mariano Sabino, presidente do PD, garantiu que o partido não apresentou qualquer exigência sobre participação no Governo, mantendo a posição firme de "viabilizar e apoiar o Estado". "Não apresentámos qualquer exigência", sublinhou.

Noutro âmbito, Alkatiri rejeitou o que considerou ser uma nova tentativa de causar polémica com a sua religião - é muçulmano num país de maioria católica -, assunto trazido hoje à primeira página num dos maiores jornais do país, o Timor Post.

"A minha religião é privada. Sou fundador desta nação, deste país. A minha religião não tem nada a ver. As pessoas usam a religião quando não têm argumentos políticos, razões políticas", afirmou.

Lusa/Fim

[:id]

Díli, 13 set (Lusa) - Mari Alkatiri deverá ser indigitado ainda hoje para o cargo de primeiro-ministro pelo chefe de Estado de Timor-Leste, Francisco Guterres Lu-Olo, que gostaria de ver o Executivo tomar posse na sexta-feira.

A indigitação de Mari Alkatiri é formalizada num decreto presidencial que poderá ser assinado "ainda hoje ou o mais tardar amanhã [quinta-feira] de manhã", disse à Lusa fonte da Presidência timorense.
A candidatura de Alkatiri, secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), foi hoje apresentada ao chefe de Estado, num encontro com a liderança da Fretilin e do Partido Democrático (PD), momentos depois de assinarem um acordo de coligação para o Governo nos próximos cinco anos.
À saída do encontro com o chefe de Estado, Mari Alkatiri disse que vai fazer o esforço para que o Governo possa ser empossado na sexta-feira.

"O Presidente nomeia o primeiro-ministro e depois cabe ao primeiro-ministro formar Governo. Vamos fazer esforço para que a tomada de posse possa ocorrer no dia 15", afirmou.
"O Presidente faz questão de que o comando legislativo comece dia 15 e que o Governo também comece a 15", disse, referindo que o Governo pode não estar totalmente preenchido até essa data, mas que terá "os elementos principais".

Apesar de, para já, o acordo ser apenas entre a Fretilin e o PD, Alkatiri garantiu que "o acordo é dinâmico" e continuará aberto a eventual participação de membros do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO).
"Assinámos os dois, mas as portas continuam abertas para que, mesmo com o Governo constituído, se possa criar maioria absoluta", sublinhou.

Alkatiri disse que o afastamento do KHUNTO, até terça-feira contado como membro da coligação, se deve a "problemas internos" cujos contornos recusou divulgar.

Apesar disso, o Governo é apoiado, não apenas pela coligação, mas pelo apoio de incidência parlamentar e até de inclusão, garantindo assim "estabilidade governativa" para os próximos cinco anos, frisou Mari Alkatiri.
Mariano Sabino, presidente do PD, garantiu que o partido não apresentou qualquer exigência sobre participação no Governo, mantendo a posição firme de "viabilizar e apoiar o Estado". "Não apresentámos qualquer exigência", sublinhou.

Noutro âmbito, Alkatiri rejeitou o que considerou ser uma nova tentativa de causar polémica com a sua religião - é muçulmano num país de maioria católica -, assunto trazido hoje à primeira página num dos maiores jornais do país, o Timor Post.

"A minha religião é privada. Sou fundador desta nação, deste país. A minha religião não tem nada a ver. As pessoas usam a religião quando não têm argumentos políticos, razões políticas", afirmou.

Lusa/Fim

[:en]

Díli, 13 set (Lusa) - Mari Alkatiri deverá ser indigitado ainda hoje para o cargo de primeiro-ministro pelo chefe de Estado de Timor-Leste, Francisco Guterres Lu-Olo, que gostaria de ver o Executivo tomar posse na sexta-feira.

A indigitação de Mari Alkatiri é formalizada num decreto presidencial que poderá ser assinado "ainda hoje ou o mais tardar amanhã [quinta-feira] de manhã", disse à Lusa fonte da Presidência timorense.
A candidatura de Alkatiri, secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), foi hoje apresentada ao chefe de Estado, num encontro com a liderança da Fretilin e do Partido Democrático (PD), momentos depois de assinarem um acordo de coligação para o Governo nos próximos cinco anos.
À saída do encontro com o chefe de Estado, Mari Alkatiri disse que vai fazer o esforço para que o Governo possa ser empossado na sexta-feira.

"O Presidente nomeia o primeiro-ministro e depois cabe ao primeiro-ministro formar Governo. Vamos fazer esforço para que a tomada de posse possa ocorrer no dia 15", afirmou.
"O Presidente faz questão de que o comando legislativo comece dia 15 e que o Governo também comece a 15", disse, referindo que o Governo pode não estar totalmente preenchido até essa data, mas que terá "os elementos principais".

Apesar de, para já, o acordo ser apenas entre a Fretilin e o PD, Alkatiri garantiu que "o acordo é dinâmico" e continuará aberto a eventual participação de membros do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO).
"Assinámos os dois, mas as portas continuam abertas para que, mesmo com o Governo constituído, se possa criar maioria absoluta", sublinhou.

Alkatiri disse que o afastamento do KHUNTO, até terça-feira contado como membro da coligação, se deve a "problemas internos" cujos contornos recusou divulgar.

Apesar disso, o Governo é apoiado, não apenas pela coligação, mas pelo apoio de incidência parlamentar e até de inclusão, garantindo assim "estabilidade governativa" para os próximos cinco anos, frisou Mari Alkatiri.
Mariano Sabino, presidente do PD, garantiu que o partido não apresentou qualquer exigência sobre participação no Governo, mantendo a posição firme de "viabilizar e apoiar o Estado". "Não apresentámos qualquer exigência", sublinhou.

Noutro âmbito, Alkatiri rejeitou o que considerou ser uma nova tentativa de causar polémica com a sua religião - é muçulmano num país de maioria católica -, assunto trazido hoje à primeira página num dos maiores jornais do país, o Timor Post.

"A minha religião é privada. Sou fundador desta nação, deste país. A minha religião não tem nada a ver. As pessoas usam a religião quando não têm argumentos políticos, razões políticas", afirmou.

Lusa/Fim

[:tl]

Díli, 13 set (Lusa) - Mari Alkatiri deverá ser indigitado ainda hoje para o cargo de primeiro-ministro pelo chefe de Estado de Timor-Leste, Francisco Guterres Lu-Olo, que gostaria de ver o Executivo tomar posse na sexta-feira.

A indigitação de Mari Alkatiri é formalizada num decreto presidencial que poderá ser assinado "ainda hoje ou o mais tardar amanhã [quinta-feira] de manhã", disse à Lusa fonte da Presidência timorense.
A candidatura de Alkatiri, secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), foi hoje apresentada ao chefe de Estado, num encontro com a liderança da Fretilin e do Partido Democrático (PD), momentos depois de assinarem um acordo de coligação para o Governo nos próximos cinco anos.
À saída do encontro com o chefe de Estado, Mari Alkatiri disse que vai fazer o esforço para que o Governo possa ser empossado na sexta-feira.

"O Presidente nomeia o primeiro-ministro e depois cabe ao primeiro-ministro formar Governo. Vamos fazer esforço para que a tomada de posse possa ocorrer no dia 15", afirmou.
"O Presidente faz questão de que o comando legislativo comece dia 15 e que o Governo também comece a 15", disse, referindo que o Governo pode não estar totalmente preenchido até essa data, mas que terá "os elementos principais".

Apesar de, para já, o acordo ser apenas entre a Fretilin e o PD, Alkatiri garantiu que "o acordo é dinâmico" e continuará aberto a eventual participação de membros do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO).
"Assinámos os dois, mas as portas continuam abertas para que, mesmo com o Governo constituído, se possa criar maioria absoluta", sublinhou.

Alkatiri disse que o afastamento do KHUNTO, até terça-feira contado como membro da coligação, se deve a "problemas internos" cujos contornos recusou divulgar.

Apesar disso, o Governo é apoiado, não apenas pela coligação, mas pelo apoio de incidência parlamentar e até de inclusão, garantindo assim "estabilidade governativa" para os próximos cinco anos, frisou Mari Alkatiri.
Mariano Sabino, presidente do PD, garantiu que o partido não apresentou qualquer exigência sobre participação no Governo, mantendo a posição firme de "viabilizar e apoiar o Estado". "Não apresentámos qualquer exigência", sublinhou.

Noutro âmbito, Alkatiri rejeitou o que considerou ser uma nova tentativa de causar polémica com a sua religião - é muçulmano num país de maioria católica -, assunto trazido hoje à primeira página num dos maiores jornais do país, o Timor Post.

"A minha religião é privada. Sou fundador desta nação, deste país. A minha religião não tem nada a ver. As pessoas usam a religião quando não têm argumentos políticos, razões políticas", afirmou.

Lusa/Fim

 [:]


Banner

Foto

Notisia Ikus

Governu aprova pagamentu suplementár ba funsionariu no ajente MF

November 26, 2021
Governu sei halo pagamentu suplementár ba funsi...

Governu aprova estatutu orgánika F-FDTL

November 26, 2021
Liu husi reuniaun Konsellu Ministru (KM), deside...

Governu aprova kriasaun liña kréditu

November 26, 2021
Atu fasilita finansiamentu, ba Empreza Míkro ka...

SEPS husu PN halo revizaun ba LPL tanba halo konfuzaun

November 26, 2021
Sekretáriu Estadu Protesaun Sivíl (SEPS) Joaqu...

Horta husu Governu apoia agrikultór sira

November 26, 2021
Laureadu Nobel da Paz, José Ramos Horta, hatete...
1 2 3 665

About

Grupo Média Nacional was founded on the 19th December, 2003 with the aim of contributing to the development of media in the newly independent Timor-Leste. In that respective year, "Jornal Nacional Semanário" weekly newspaper was launched and in 2005 the Group ... more

Phone: 3311441
Email: [email protected]
Address: Dom boaventura no 8, Bebora Dili, Timor Leste.

GMN Map

Copyright © 2021 GMN TV | All right reserved.
apartmentmap-marker