Paixão atribui acidentes de viação a incumprimento do código da estrada

O Ministro da Defesa e Interior em exercício, Filomeno Paixão de Jesus, disse que a obtenção ilegal de carta de condução e o desrespeito pelas normas do código de estrada por falta de conhecimento dos condutores são as principais causas para o elevado número de acidentes de viação em Timor-Leste, nomeadamente em Díli.

O ministro manifestou o seu desagrado com as irregularidades na hora de adquirir a carta de condução, considerando que, muitas das vezes, o documento “passa por baixo da mesa”.

“Por que é que há tanto trânsito na estrada? O que é que se espera? Esperamos que todas as pessoas realizem o exame para que obtenham legalmente a carta de condução. Contudo, quando a carta é adquirida por baixo da mesa, isto traz problemas sérios, pois faz com que aumente o número de acidentes rodoviários nas estradas”, disse na terça-feira (03-12), após o encontro com o Presidente da República, Francisco Guterres ‘Lu-Olo’, no Palácio Presidencial.

Segundo os dados da Direção Nacional de Estatística, registaram-se no ano passado cerca de 1.700 acidentes de viação, que causaram 75 vítimas mortais, 1.672 feridos ligeiros e ainda 404 feridos graves.

Os dados revelam ainda que os municípios onde se registaram mais mortes foram Díli, com 24 pessoas, seguidos de Covalima, com nove vítimas mortais, e Manatuto com sete.

Filomeno Paixão de Jesus defendeu que não podem ser atribuídas culpas somente à polícia, mas antes averiguar-se também o local onde “o condutor obteve a carta de condução”.

O ministro aponta ainda outros dois fatores para o número crescente de acidentes de viação – condutores sob o efeito de álcool e o mau estado do piso das estradas.

“Os sinais de trânsito são também ignorados. Por outro lado, talvez a polícia não esteja a controlar devidamente o trânsito. Estas duas situações contribuem para o aumento do tráfego em Díli”, disse.

Para fazer face a este problema, o ministro disse estar a envidar todos os esforços para continuar a reforçar a capacitação de oficiais da polícia, fazendo deslocar a Portugal elementos da polícia de trânsito para formações. Adiantou também que dois oficiais de polícia já regressaram a Timor-Leste, após terem frequentado uma formação em Portugal. Oct 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *