JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

José Luís Oliveira critica ex-ministros com funções de assessores

José Luís Oliveira critica ex-ministros com funções de assessores

O diretor da Asia Justice and Rights, José Luís Oliveira, criticou os ex-ministros que trabalham, atualmente, como assessores principais nos diferentes ministérios do Governo por auferirem salários superiores aos do Presidente da República, terem recorrido a assessores internacionais quando ainda eram ministros e agora trabalharem nessas funções.

“Pergunto aos ex-ministros. Quando desempenhavam as pastas de ministros, contrataram vários assessores principais por falta de competências. Como podem, agora, desempenhar essas funções [de assessores]? Esta situação deverá ter reflexos negativos nos ministérios”, afirmou José Luís Oliveira, nesta terça-feira (19/11), no seu local de trabalho, no Farol, Díli.

O diretor lembrou, entretanto, que obteve informações de que alguns dos atuais assessores em funções possuem como habilitações literárias apenas o ensino secundário.

“A meu ver, [a situação] torna-se um pouco ridícula. Enquanto ministros, dependiam muito de assessores. Isto significa que a sua capacidade técnica era limitada. Depois de deixarem o cargo de ministros, desempenham agora funções de assessores principais, auferindo salários superiores aos do Chefe de Estado. Isto é uma situação única no mundo, que só acontece em Timor-Leste, onde a pessoa número um do país recebe salário inferior ao do assessor principal. É ilógico”, disse.

José Luís Oliveira lembrou ainda  que os assessores principais devem ser figuras dotadas de competências e com relevo na área da política.

“Não devemos recrutar pessoas com falta de competências. Até ouvi que há assessores que têm apenas o ensino secundário. Isto é inadmissível e estamos a gastar o dinheiro do Estado à toa. O nosso dinheiro, das receitas petrolíferas, está a diminuir cada vez mais, enquanto as receitas domésticas não aumentam. O ideal seria empregar apenas dois ou três assessores no máximo [em cada ministério]”, afirmou.

Lee hotu :   EMBAIXADA NOVA ZELANDIA SEI KAPASITA MEMBRU PN

Em relação à remodelação do Governo, José Oliveira sugeriu ao Primeiro-Ministro, Taur Matan Ruak, que procedesse à substituição dos ministros e secretários de Estado que revelam incompetência na gestão dos gastos no país.

“Se empregarmos mais de cinco assessores em cada ministério, significa que este membro do Governo não possui competências [adequadas]. Qualquer pessoa nomeada para o cargo de ministro deve ter competência, ser íntegro e líder para poder gerir o seu ministério. Caso contrário, continuaremos a retirar dinheiro do Fundo Petrolífero”, salientou José Oliveira.

Questionado ainda sobre a presença de vários assessores no VIII Governo Constitucional, José Luís Oliveira considerou-a como “uma distribuição de privilégios entre si próprios”, sugerindo, por isso, ao Chefe do Governo que prestasse atenção ao caso. (Tos)

Add to Comments Here!!!!

error: Content is protected.
Secured By miniOrange
You might also like:
SETP sei hasai obrigatóriu komunidade okupa área eskola

Sekretaria Estadu Terras Propriedade (SETP), sei...

Hakotu impase, CNRT apoia PM diálogu ho PR ■ Jurista Avelino: Presiza reforma kuadru legál

Deputadu bankada Congresso Nacional Reconstrução de...

Ahi mate iha Aeroportu Comoro, PN konsidera hatudu imajen ladiak ba mundu

Prezidenti komisaun E ne’ebé trata asuntu...

Close